Avisos

LINHAS DIRETAS

Apoio ao Cliente
212 726 001
Dias Úteis (8H30-17H30)
 
Comunicação de Leituras
212 726 101
24 Horas
Roturas na Via Pública
800 205 712
24 Horas
Piquete
212 726 161
24 Horas

Diagrama de Processo da Etar de Valdeão

Tratamento biológico por lamas ativadas em arejamento prolongado (biomassa suspensa) e ultra-filtração de água para reutilização
 
1. Câmara de chegada/válvula vórtice -  o caudal de águas residuais brutas é controlado por válvula vórtice rejeitando os volumes que excedam a capacidade hidráulica da ETAR.
 
2. Gradagem mecânica - as águas passam através de um tamisador rotativo de malha fina onde são retirados os sólidos grosseiros, impedindo a sua passagem para os outros órgãos da ETAR. Estes sólidos são compactados e encaminhados a destino final adequado.
 
3. Desarenador estático - as areias e outras partículas com a mesma densidade sedimentam no fundo do canal, sendo removidas com ferramenta manual e encaminhadas a aterro sanitário. As águas residuais seguem para o tanque de arejamento por bombagem.
 
4. Tanques de arejamento - bioreatores com arejamento por turbina, onde se promove o crescimento de bactérias e outros microrganismos, que necessitam de oxigénio para sobreviver (biomassa), alimentando-se da matéria orgânica presente na água residual (tratamento biológico). 
 
5. Decantadores secundários - uma fração das lamas biológicas sedimentadas no processo de decantação secundária (biomassa em excesso) são encaminhadas por bombagem para o tanque tampão, para posterior desidratação. Uma outra fração da biomassa é sistematicamente recirculada por bombagem ao tanque de arejamento. As águas residuais tratadas seguem para o microtamisador. 
 
6. Tratamento terciário (a. Microtamisador + b. Desinfeção UV) - no microtamisador ocorre a afinação final/retenção de sólidos em suspensão e no canal de desinfeção ocorre a inativação de microrganismos patogénicos, através de radiação UV (Ultra Violeta).
 
7. Reutilização de água tratada - a água desinfetada (efluente final) é rejeitada no rio Tejo, mas uma parte é armazenada em cisterna e desinfetada adicionalmente em membranas de Ultra-Filtração para utilização na rega, lavagens de equipamentos e da ETAR e por utilizadores externos licenciados.
 
8. Desidratação de lamas - Na unidade de desidratação é adicionado às lamas um reagente (polieletrólito) para formação de flocos que são pré-espessadas e desidratadas num filtro de banda compacto. A água separada é encaminhada para a câmara de chegada e as lamas desidratadas são acondicionadas em contentores e transportadas para compostagem, permitindo a valorização segura do seu conteúdo em nutrientes (azoto e fósforo), como fertilizante agrícola.